Entrevista

Eliana Azevedo, Presidente da ANP

"Regulamentação da profissão ainda é desafio para paisagistas", Eliana Azevedo, Presidente da ANP

 

Projeto de lei foi analisado por três Comissões de mérito na Câmara dos Deputados e aprovado nas três, mas “falta incentivo do Governo”, segundo a presidente da entidade.

O paisagismo é uma área de conhecimento interdisciplinar, que combina ciência e arte, sendo exercida no Brasil por graduados em diversas áreas, alguns com conhecimento empírico.

O profissional atuante deve ter amplo conhecimento em ciências exatas, naturais, socioculturais a artes para planejar, projetar, implantar e gerir contratos relativos a projetos de áreas verdes e livres. Além disso, deve saber de recreação, amenização, circulação e preservação ambiental.

Embora a ANP (Associação Nacional de Paisagismo) represente os numerosos profissionais que trabalham nessa função, faltam graduações na área e incentivos do Governo Federal, de acordo com Eliana Azevedo, presidente da entidade, que concedeu esta entrevista ao Portal Francal. Confira:

 

De que forma o Governo incentiva a regulamentação da profissão de paisagista e quais medidas vêm sendo tomadas?

Eliana: Não há incentivo à profissão de paisagista por parte do Governo. Hoje, o que temos é um projeto de Lei tramitando no congresso para regulamentar a profissão de paisagista. O PL2043/2011 é uma iniciativa da ANP com o deputado Ricardo Izar, que abraçou a causa pelo desenvolvimento sustentável e o bem de nossas paisagens.

E como está o andamento do PL2043/2011?

O PL 2043/2011 já foi analisado por três Comissões de mérito na Câmara dos Deputados e aprovado nas três.  Estamos na CCJ, que é a última da Câmara. Depois segue para o Senado. Esse assunto, aliás, será abordado no 3º Encontro ANP de Paisagismo, que acontece de 7 a 9 de agosto, durante a Feira Expo Paisagismo.

É possível mensurar o número de paisagistas no Brasil?

Não temos um número preciso de profissionais que atuam na área da paisagem, mas certamente são vários milhares.

Qual é a formação acadêmica desses profissionais?

Todos com formações acadêmicas distintas: agrônomos, arquitetos, artistas, engenheiros, biólogos, outras profissões não afins e muitos sem formação acadêmica. Esse fato que gera uma insegurança muito grande tanto para o consumidor quanto para o profissional.

Isso significa que não existe uma faculdade específica?

No Brasil, já existe uma faculdade de paisagismo na UFRJ, no Rio de Janeiro. Apesar de ser reconhecida pelo MEC, seus egressos têm dificuldade em exercer a profissão, pois Conselhos Profissionais de outras categorias os acusam de exercício ilegal da profissão.

E qual a sua opinião sobre isso?

É um verdadeiro absurdo como ações corporativistas que visam apenas a reserva de mercado conseguem atrasar o bom e saudável desenvolvimento no Brasil.

Sobre a Expo Paisagismo, de que forma você acha que ela colabora com o setor?

A feira é espetacular. Ela mostra as novidades do mercado e apresenta os assuntos mais importantes do paisagismo em um lugar só. Tudo por meio de grandes empresas expositoras e profissionais qualificados. É imperdível! Estou muito satisfeita com a feira como representante da ANP e como profissional da área.

 

Leia também: Palácio das Mangabeiras, em MG, será palco de eventos

Leia também: Curso EAD de Paisagismo e Plantas Ornamentais

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais