Feira

Jardins Verticais: a nova tendência da decoração verde

O conceito ajuda a prolongar e aumentar a sensação de aconchego e leveza, sendo ideal para pequenas áreas.

 

Os jardins verticais são formados por uma estrutura onde se aplicam infinitas possibilidades de combinações de plantas, fixadas em muros ou suspensas por suportes instalados na vertical, sem que haja separação entre elas.

A Expo Paisagismo oferece uma série de produtos, serviços e conteúdo que auxiliam os profissionais da área com os novos desafios da atividade, a exemplo da crescente demanda por projetos com foco na sustentabilidade e no respeito à natureza.

Falando de jardins verticais, o importante é deixá-lo da forma mais natural possível, pois as flores vão mudando de acordo com as estações do ano. Essa é a preocupação, por exemplo, da Gardenwall, expositor da Expo Paisagismo 2019 e especialista em módulos para jardins verticais.

O diferencial da novidade que a marca leva para esta edição da feira fica por conta de um bloco cerâmico que é estrategicamente agregado à floreira. De acordo com a Gardenwall, esses blocos têm como função excluir a necessidade da pré-existência da parede. Além disso, estão disponíveis em três tipos:

  • Módulo inteiro: 18x25x29 cm, com rendimento de 13,7 peças/m²
  • Meio módulo: 18x25x14,5 cm, com rendimento de 27 peças /m²
  • Módulo para moldura/acabamento: 18x25x5 cm, com rendimento de quatro peças por metro linear.

Jardins verticais

Cores, tipos de folhas, aromas, texturas entre outras características devem ser observadas para o melhor aproveitamento do espaço. O jardim vertical pode prolongar e aumentar a sensação de aconchego e leveza, sendo ideal para pequenas áreas, já que ocupa apenas a parede, excluindo a necessidade de se ter um ambiente só para a criação de um jardim.

É fundamental que a escolha das plantas seja feita de forma correta, para que haja a sintonia perfeita, por isso, o planejamento deve levar em consideração o porte dos vasos, a quantidade de substrato, a insolação e o microclima. É também de suma importância que o sistema de drenagem esteja funcionando.

Se o jardim vertical for de área ensolarada é essencial prever um horário diário para a rega ou, se possível, considerar um sistema de irrigação que facilite a preservação das áreas verdes. Em áreas sombreadas, a necessidade de rega é menor e não compromete tanto a sua manutenção. De modo geral, as regas devem ser antes das 10h e após as 16h, mas nunca após o pôr do sol, para evitar o surgimento de fungos e bactérias.

As plantas mais adequadas para áreas de sombra são a Samambaia, Asplênio, Peperômia, Chifre de Veado, Bromélias, Columéia, Singônio e as para áreas de sol pleno são Aspargo Pluma, Russelia, Lambari, Trapoeraba, Orégano, Barba de Serpente e Brilhantina.

 

Leia também: Uso inteligente da água é destaque da Rain Bird

Leia também: Sustentabilidade: vasos da NagmoBio são 100% biodegradáveis

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais