Mercado

Sítio Burle Marx pode ser Patrimônio Mundial Cultural no próximo ano

Área será analisada em setembro por especialista de comitê que assessora a Unesco.

 

Com 407 mil metros quadrados, hoje, o espaço reúne uma coleção botânico-paisagística com mais de 3,5 mil espécies de plantas tropicais. Essa paisagem arquitetônica será colocada à prova.

Depois de Paraty e Ilha Grande, na Costa Verde, ganharem o título de Patrimônio Cultural e Natural Mundial da Unesco , em cerca de dois meses, uma botânica ligada ao Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), órgão que assessora a Unesco, estará no Rio para a análise final da candidatura do Sítio Roberto Burle Marx a Patrimônio Cultural Mundial.

A venezuelana Maria Eugênia Batti, que foi a especialista responsável pela avaliação da candidatura vencedora do Conjunto Moderno da Pampulha, em Belo Horizonte (MG), chegará ao Rio na primeira semana de setembro.

Maria Eugênia tem a missão de fazer a avaliação técnica do sítio, que é reconhecido como patrimônio cultural brasileiro desde 1985. Ela já tem em mãos um dossiê de 600 páginas elaborado por técnicos do espaço, auxiliados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O documento contém informações sobre a área e foi iniciado pelo paisagista, autor de obras como o Aterro do Flamengo e o desenho do calçadão da Praia de Copacabana, em 1949.

 

Leia também: Estudo mostra grau de implementação do Código Florestal no Brasil

Leia também: Artigo: A gestão de espaços ambientais protegidos

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais